Diferença entre central de alarme monitorada e não monitorada

Tempo de leitura: 3 minutos

Diferença entre central de alarme monitorada e não monitorada

Ao contratar um serviço de alarme, você tem a opção de ser monitorado 24h e a opção de não ser monitorado, porém existem diferenças entre os dois que podem mudar a sua ideia e fazer a escolha certa na hora de contratar um sistema de alarme.

Os alarmes monitorados tem basicamente duas funções: avisar o indivíduo o que está acontecendo e dar um sinal de alerta.

Todos os alarmes monitorados tem um painel de alarme, bateria, sirene, sensor e um botão de pânico.

Sistema de alarme monitorado

Eles funcionam através dos sensores que identificam um problema enviando um sinal para o painel de alarme, isso emite a sirene e informa uma central sobre o disparo.

Esses alarmes são muito utilizados pois enviam diretamente a informação para a central de atendimento, sendo que esta avalia o problema e pode comunicar às autoridades para buscar ajuda.

Alguns seguros residenciais oferecem descontos para quem já tem um sistema de alarme de monitoramento.

Isso acontece muito porque as empresas de seguro entendem que os bens estão mais protegidos e correm menos riscos.

Uma vez que a informação chega à central, o proprietário é prontamente informado da situação e qual a zona “quarto-sala-garagem-etc.” em que houve a violação. Não localizando o proprietário, a Central de Monitoramento irá, através de uma de suas viaturas, checar no local o que houve e, se necessário, acionará os órgãos policiais para dar suporte.

Sistema de alarme não monitorado

Também funcionam por meio de sensores, porém não são emitidos à central em casos de disparo.

O proprietário tem total controle sobre o monitoramento, sendo o único a ter acesso às ocorrências do local onde está instalado o alarme.

Geralmente é disponibilizado um aplicativo, o qual tem a finalidade de mostrar as câmeras de segurança em caso de ter câmeras, e mostrar quando o alarme é disparado.  

Sensores mais comuns:

  • sensor de barreira: geralmente emite dois feixes retilíneos de luz invisível. Quando são interrompidos, o sensor notifica a central de alarme;
  • de abertura ou magnéticos: servem para detectar a abertura de portas ou janelas;
  • de impacto: usados para proteger estruturas metálicas, detectando ações indevidas, como impactos, perfuração ou explosivos;
  • infravermelho: captam a movimentação de pessoas no ambiente por meio do calor gerado pelo corpo;
  • micro-ondas: o emissor libera ondas em determinada frequência e faz a leitura do retorno da onda. Se houver diferenças entre o que foi emitido e o que retornou, significa que houve alguma movimentação no ambiente.

Conclusão

Você deve estar se perguntando qual a melhor opção para você. Para isso, você deve levar em consideração o valor que pretende gastar e qual deles cabe em seu orçamento. Lembrando que qualquer uma das opções vão te trazer mais segurança, além de poupar você de muita dor de cabeça.

Caso tenha mais dúvidas ou quer contratar um serviço de alarme, entre em contato conosco. Saiba mais

Gerenciamento de alarmes